19/07/2017 | litor6br | Sem Comentários



O Porto de Paranaguá está em obras que, quando prontas, podem somar quase 2 mil novas vagas de trabalho. Até o fim do próximo ano devem ser concluídos mais de R$ 2,2 bilhões em investimentos públicos e privados nas áreas da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).

“Acreditamos que durante a execução estaremos abrindo 2 mil empregos para obras, para pedreiros e carpinteiros por exemplo, mas quando tudo estiver pronto, serão mais 1,2 mil vagas para operar terminais”, disse o diretor presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.

Na operação serão abertas vagas para pessoas treinadas em operar equipamentos, entre outras funções de engenharia e logística. Isso se deve a itens como a ampliação do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TPC) e dos terminais da Ponta do Felix, em Antonina, que juntos devem receber mais de R$ 1 bilhão em investimentos, segundo Dividino.

O diretor-presidente também revelou que estão sendo realizados investimentos em interligações de novos armazéns no sistema corredor de exportação de Paranaguá, que somam R$ 820 milhões e devem ter as obras concluídas no próximo mês.

“Temos ainda investimentos da própria Appa para licitação, em torno de R$ 190 milhões no Cais Oeste”, acrescentou Dividino. Segundo ele, essa obra deve promover a construção de um novo cais. Além disso, outros processos estão encaminhados para facilitar o escoamento de produtos do agronegócio, como soja e milho, outro para a movimentação de veículos e mais um processo para celulose.

Porto de Paranaguá receberá investimento bilionário

Na operação serão abertas vagas para pessoas treinadas em operar equipamentos, entre outras funções de engenharia e logística. Isso se deve a itens como a ampliação do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TPC) e dos terminais da Ponta do Felix, em Antonina, que juntos devem receber mais de R$ 1 bilhão em investimentos, segundo Dividino.

O diretor-presidente também revelou à Gazeta do Povo que estão sendo realizados investimentos em interligações de novos armazéns no sistema corredor de exportação de Paranaguá, que somam R$ 820 milhões e devem ter as obras concluídas no próximo mês.

“Temos ainda investimentos da própria Appa para licitação, em torno de R$ 190 milhões no Cais Oeste”, acrescentou Dividino. Segundo ele, essa obra deve promover a construção de um novo cais. Além disso, outros processos estão encaminhados para facilitar o escoamento de produtos do agronegócio, como soja e milho, outro para a movimentação de veículos e mais um processo para celulose.

Com obras em andamento, Porto de Paranaguá recebeu recentemente o maior navio que já passou pela costa brasileira.

Mesmo com safra recorde não foi preciso desacelerar os embarques de grãos em 2017

A capacidade portuária do Paraná será ampliada. Até o fim do próximo ano, devem ser destinados mais de R$ 2,2 bilhões em investimentos públicos e privados ao Porto de Paranaguá. A informação é do diretor presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino.

Diversas obras já estão em andamento, segundo Dividino. Inclusive, no primeiro semestre o porto finalizou o período com duas importantes marcas, devido aos investimentos em infraestrutura: “O aumento no número de navios atracados no período, se comparado com o mesmo período do ano passado, e a passagem da maior embarcação de transporte de contêineres de toda a sua história”, disse.

Nos seis primeiros meses de 2017, 1.154 navios atracaram em Paranguá, contra1.125, no mesmo período de 2016. Inclusive, a maior embarcação que já atracou na costa brasileira passou pela cidade em abril: o navio Hyunday Loyalty, de Cingapura, com 340 metros de comprimento e capacidade para 8,6 mil contêineres de cargas variadas.

Foco em Agronegócio

Eleito o melhor porto do Brasil, o Porto de Paranaguá seguir com novas entregas ao longo dos próximos meses. “Algumas obras já estão em andamento e os novos projetos vão contemplar armazéns, berços de atracação e equipamentos, toda a infraestrutura necessária para um melhor atendimento aos clientes”, afirmou Dividino em palestra na Ocepar, nesta terça-feira.

A prioridade dos investimentos, segundo o diretor-presidente, é no agronegócio. “O objetivo é transformar o porto numa plataforma que atenda de forma satisfatória ao setor agropecuário, para que tenhamos bons serviços, preços razoáveis e sejamos competitivos diante de clientes no mercado internacional”, afirmou.

Uma amostra disso é o volume de grãos que passaram pelo corredor de exportação do Porto de Paranaguá em junho. O volume foi 22% superior ao mesmo mês do ano passado: 1,56 milhão de toneladas de grãos contra 1,27 milhão.

Mesmo com safra recorde, não foi preciso desacelerar os embarques de soja, de acordo com a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). “Tivemos um aumento na capacidade operacional que nos permite trabalhar desta forma”, disse Dividino.

Segundo ele, dois investimentos foram fundamentais para isso: as trocas dos carregadores de navios, os chamados shiploaders, que aumentaram a produtividade de carregamento de grãos em 33%, e as campanhas de dragagem, que permitem aos navios maiores atracarem e saírem carregados.

Fonte: Gazeta do Povo