06/05/2019 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



 

O prefeito Marcelo Roque realizou nesta segunda-feira (6) a primeira entrega de kits de lanche para cerca de 130 pessoas que fazem tratamento fora do domicílio (TFD), em Curitiba e municípios da região metropolitana. A saída dos 5 veículos, dentre eles três ônibus e duas vans, ocorreu por volta das 5h30 da madrugada, em frente ao Centro de Diagnóstico e Especialidades/Hospital João Paulo II. A iniciativa recebeu elogios dos beneficiados. A secretária municipal de Saúde, Lígia Regina de Campos Cordeiro, também acompanhou a entrega.

Até a semana passada quem viajava para tratamento médico recebia da Secretaria Municipal de Saúde um café da manhã oferecido no próprio Hospital João Paulo II. Muitos, no entanto, não têm condições de se alimentar enquanto aguardam consulta ou realização de exame, na capital. Para atender a esta demanda, visando trazer mais qualidade de vida aos passageiros, a Secretaria Municipal de Saúde resolveu passar a oferecer o kit.

Cada sacola entregue contém duas frutas (maçã e banana), água mineral, suco, biscoito, creme de queijo e barra de cereais. Para o prefeito Marcelo Roque, “é o mínimo que a Prefeitura pode fazer para essas pessoas que fazem tratamento fora do domicílio”. “A gente já vinha oferecendo o café da manhã aqui no João Paulo, mas muitas vezes esses pacientes não tinham o que comer lá na capital. É uma iniciativa importante da Secretaria de Saúde, a quem parabenizo pelo trabalho e empenho”, declarou o prefeito.

Além dos investimentos para poder oferecer os kits de lanche a partir de agora o prefeito Marcelo Roque ainda destacou os avanços conquistados desde o início da gestão para dar melhores condições aos usuários do transporte da Secretaria Municipal de Saúde. “Hoje temos ônibus novos e mais veículos, o que possibilita levar mais passageiros. É mais conforto e segurança a essas pessoas que saem do nosso município para fazer tratamento de saúde”, observou o chefe do Executivo municipal.

A aposentada Rosana do Rocio Amorim acompanha a filha, Beatriz, de 18 anos para tratamento médico há 13 anos em Curitiba. A jovem passou por transplante de rim há uma década e nesta segunda-feira seguiu para uma consulta no Hospital São Vicente. A mãe aprovou a entrega do kit de lanche. “Nestes 13 anos não era sempre que tinha dinheiro para fazer lanche. Hoje mesmo não tenho”, comemora a aposentada, que agradeceu e parabenizou ao prefeito. “Parabéns ao prefeito por essa iniciativa. Agora vamos ter o que comer na viagem”, declarou.

A secretária Lígia Regina destacou os benefícios conquistados de 2017 para cá em prol de quem faz tratamento fora do domicílio. Um deles é a compra de mais ônibus, aumentando assim a segurança e o conforto dos passageiros, e liberação de mais dois pontos para embarque e desembarque. Agora, é possível também no posto de saúde da Gabriel de Lara e na UPA. Antes era só um ponto.

“Desde o início da gestão Marcelo Roque estamos trabalhando para minimizar o transtorno dessa parcela da população tão fragilizada, que tem que acordar na madrugada para ir a Curitiba fazer radioterapia, quimioterapia, hemodiálise e outros tratamento que não conseguimos oferecer aqui”, declarou a secretária.

Lígia Regina de Campos Cordeiro afirma que muitas vezes “essas pessoas não tem tempo para tomar café em casa e nem dinheiro para fazer um lanche em Curitiba. Esse kit tem produtos indicados por nutricionista, com o melhor cardápio para quem vai fazer tratamento longe de casa. Essa é uma forma de mostrar o quanto essa gestão está preocupada com nossa população”.

Os investimentos em alimentação também foram feitos para pacientes do CAPS que precisam de assistência diária na unidade e ainda aos que passam por tratamento de tuberculose, que participam do Tratamento Diferenciado Observado (TDO). Eles recebem atenção diariamente, com entrega de medicamentos e agora também passarão a receber um kit com alimentos.

DESMARCAR VIAGEM

A secretária municipal de Saúde aproveitou para pedir responsabilidade a pessoas que marcam viagem a Curitiba ou municípios da região metropolitana no Departamento de Transporte e não comunicam se tiver algum imprevisto. Isso prejudica outras pessoas que também precisam do serviço. “É muito ruim, porque as pessoas conseguem uma carona, vão com o carro de um parente ou a consulta foi desmarcada, mas esquece de ligar para o Departamento de Transporte para informar sobre a novidade. Neste caso pessoas que precisam ir ficam prejudicadas. Pedimos que as pessoas fiquem atentas a isso”, observa a secretária.

Jornalista: Osvaldo Capetta 

Marcos Rogério/Litoral Notícias