29/05/2018 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



 

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) divulgou nota nesta segunda-feira (28) em que pede que as bases das entidades que não concordarem com a proposta do governo, anunciada ontem, liberem a circulação de alguns itens nos pontos de bloqueio em rodovias.

Entre os itens listados para liberação, estão “combustíveis de toda espécie, inclusive gás de cozinha, produtos destinados à merenda escolar, produtos e alimentos destinados à saúde pública e hospitais, leite e caminhão carregado com adesivo identificador da Defesa Civil”.

“A CNTA pede conscientização de todos os caminhoneiros para que avaliem com cuidado suas decisões sobre a continuidade ou não da paralisação, sob pena de perdermos essas conquistas históricas da categoria”, acrescenta a nota.

No balanço de hoje divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), há ainda 594 pontos de aglomeração de caminhoneiros em rodovias federais no Brasil, mas sem bloqueio total das vias.

Outra entidade representativa dos motoristas autônomos de carga, a Associação Brasileira de Caminhoneiros (ABCam), denunciou, mais cedo, que grupos políticos estão infiltrados nos bloqueios das estradas com o objetivo de prolongar as paralisações e desestabilizar o governo federal.

Pra resumir, o acordo feito com os representantes dos caminhoneiros , com as classes que representam os profissionais do volante , com a abcam por exemplo , que é a associação dos caminhoneiros do Brasil e o governo federal , Foi feito e foi aceito pelos representantes do movimento, inclusive , o presidente da abcam José da Fonseca Lopes pediu para que os motoristas , suspendam a paralisação e voltem a vida normal, mas segundo José Lopes grupos políticos estão infiltrados nos bloqueios das estradas ameaçando a integridade física dos motoristas com o objetivo de se promover e prolongar as paralisações e desestabilizar o governo federal.

José Lopes disse também ao bom dia Brasil da TV Globo , que muitos motoristas estão com medo de rodar.

 

Agência Brasil

Marcos Rogério/Litoral Notícias