07/03/2019 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



Moradores da comunidade marítima de Europinha, na baía de Paranaguá, encontraram um macaco morto na última sexta-feira (1).

 Como não se sabia da causa, eles acionaram as autoridades para fazer a retirada da carcaça do animal para ser analisada, já que pode ser febre amarela.

Técnicos da Vigilância em Saúde do Governo do Estado fizeram a retirada do animal no último sábado, conforme confirmou o diretor da 1.ª Regional de Saúde, Vitor Pugsley Julião na tarde desta quarta-feira (6).

“Os técnicos recolheram o animal e ele foi enviado para análise, em Curitiba, para constatar se a morte tem relação com a febre amarela”, relatou o dirigente.

A Secretaria Municipal de Saúde continua a vacinação contra a febre amarela em Paranaguá.

 De 28 de janeiro até 1.º de março foram imunizadas 13.422 pessoas da cidade contra a doença.

 Em todas as unidades básicas de saúde as doses estão disponíveis desde o início de janeiro, após haver a confirmação da morte de um macaco em Antonina por febre amarela.

Alguns dias depois também se confirmou um caso positivo em humano para a doença na mesma cidade, o que colocou a população e as autoridades sanitárias do Paraná inteiro em alerta.

 A orientação do Governo do Estado foi intensificar a vacinação, já que essa é a única forma de prevenir a doença, que é uma arbovirose, por ser transmitida por mosquitos

Nesta quarta-feira a também vizinha cidade de Morretes confirmou um caso de febre amarela.

Este seria o sexto paciente com a doença no litoral do Paraná e na região metropolitana de Curitiba, conforme dados da Secretaria de Estado da Saúde.

“Estamos em alerta.

 Continuamos orientando nossa população que ainda não se vacinou contra a febre que procure as unidades básicas de saúde, das 8h às 17h, e também no período noturno, nas que funcionam em horário estendido, das 18 às 23h”, comenta a secretária municipal de Saúde, Lígia Regina de Campos Cordeiro.

Para a vacina contra a febre amarela fazer efeito são necessários dez dias após a aplicação.

Estão mais expostas a picadas dos mosquitos transmissores da doença pessoas que estiverem ou visitarem áreas rurais.

 Além da versão silvestre a febre amarela pode ocorrer também na forma urbana, sendo assim transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti, causador também da dengue, zika e chikungunya.

VACINAÇÃO NAS COMUNIDADES MARÍTIMAS

Equipes do Estratégia Saúde da Família (ESF) iniciaram nas últimas semanas a imunização nas comunidades marítimas de Paranaguá.

 Nesta quinta-feira será a vez dos moradores de Eufrasina, Piaçaguera, Amparo e Ponta de Ubá serem vacinados.

Não foi definido o horário em que a equipe chegará a essas localidades, até porque dependerá das condições do mar para realizar os trajetos.

 Entretanto, as duas primeiras comunidades a receber as doses serão Eufrasina e Piaçaguera.

Nas semanas anteriores já foram imunizadas famílias São Miguel e Teixeira.

 Em Europinha a equipe imunizou 55 pessoas, de 24 famílias no último sábado.

 “Resolvemos fazer essa vacinação seletiva por conta da morte do macaco.

 Temos que proteger essa população, para que nenhuma pessoa destas localidades marítimas sejam acometidas pela doença.

 Estamos concentrando todos os esforços para proteger nossa população”, declarou a secretária municipal de Saúde, Lígia Regina de Campos Cordeiro.

 

Jornalista: Osvaldo Capetta

Marcos Rogério/Litoral Notícias