15/01/2019 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



O Colit foi criado em 1984 é composto por órgãos do governo estadual, prefeitos, universidades e organizações da sociedade. É responsável por analisar e aprovar diversos tipos de licenciamentos ambientais nos sete municípios do litoral paranaense.

Para muitos, tem ajudado na preservação ambiental da região; para outros tem sido um entrave ao desenvolvimento empresarial.

Na última reunião do Conselho, realizada dia 29 de outubro em Guaratuba, o tema entrou na pauta.

Mas foi por uma moção pela manutenção do órgão.

A iniciativa foi dos ambientalistas e teve apoio do ex-secretário de Estado do Meio Ambiente, Antônio Carlos Bonetti, e do prefeito de Guaraqueçaba, Ariad Júnior.

Os demais prefeitos se abstiveram de votar. Na mesma reunião foram aprovadas todos os licenciamentos colocados na pauta.

“Embalada na nova visão”

Em ofício enviado ao governador e assinado pelo vice-presidente , Fabio Aguayo, a Feturismo (Federação das Empresas de Hospedagem, Gastronomia, Entretenimento e Similares do Estado do Paraná) diz que, com a extinção do órgão, litoral paranaense “passará por um verdadeiro crescimento, expansão e integração da comunidade litorânea paranaense”.

A Federação diz que age “embalada pela nova visão do Governo do Paraná, se referindo a uma suposta visão menos ambientalista do novo governador.

No mesmo ofício, a Feturismo agradece a atenção que o governador “está dando ao Turismo no Paraná, principalmente colocá-lo em destaque em seus pronunciamentos, referências e atitudes, desde o período eleitoral e agora no início de seu mandato”.

Para a Federação “basta revogar o decreto de criação e modernizar a situação delegando aos municípios a criação ou o controle em uma pasta, departamento ou órgão que reuniria engenheiros civis e ambientais, advogados e outros profissionais habilitados que caberia conceder alvarás, licenças ambientais e outras atividades, ou reforçando, ampliando atribuições e estrutura das existentes”.

A Federação também defende a construção da nova rodovia (faixa de infraestrutura) em Pontal do Paraná, cuja licitação está travada na Justiça: “O Litoral precisa de várias faixas de infraestrutura”, afirma o documento.

Por fim, propõe “integrar Guaraqueçaba definitivamente ao litoral” por uma estrada pavimentada.

 

Correio do Litoral

Marcos Rogério/Litoral Notícias