13/12/2017 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



Na busca pelo inédito título da Copa Sul-Americana nesta quarta-feira, o Flamengo tem a chance de fazer valer a máxima “matar dois coelhos com uma só cajadada”. Se for campeão, se vingará do Independiente, da Argentina, após 22 anos de espera e também igualará um feito que apenas o Botafogo conseguiu no Maracanã.

O desejo de vingança tem a ver justamente com uma final continental. Em 1995, o Flamengo decidiu a extinta Supercopa da Libertadores contra o Independiente e o jogo final foi no mesmo palco desta noite. A equipe rubro-negra era favorita porque tinha um elenco turbinado, com Romário e Sávio. Deveria ter também Edmundo no “ataque dos sonhos”, mas pouco antes da decisão emprestou o artilheiro ao Corinthians por conta de uma briga entre ele e a diretoria do futebol.

Apesar de o torneio entre os campeões da Copa Libertadores não ter muito prestígio, o Flamengo valorizou a disputa porque buscava uma taça desesperadamente. Era o ano do centenário e o time havia apenas vencido apenas a Taça Guanabara (o primeiro turno do Estadual do Rio), que não tinha tanto peso.

Para chegar à final, eliminou Vélez Sarsfield (Argentina), Nacional (Uruguai) e Cruzeiro, com seis vitórias em seis confrontos. O Independiente passou por Santos, Atlético Nacional (Colômbia) e River Plate (Argentina), mas sem ser tão brilhante. Venceu um jogo, empatou quatro e perdeu um.

Os jogos da decisão foram realizados em 29 de novembro e 6 de dezembro de 1995. O primeiro confronto foi em Avellaneda, vencido pelo time argentino por 2 a 0. Uma semana depois o duelo ocorreu no Rio de Janeiro, com o Maracanã como palco. A equipe rubro-negra até venceu, mas somente por 1 a 0 e perdeu a taça.

Romário foi autor do gol da vitória, aproveitando um rebote em chute de Sávio, mas acabou assistindo a festa dos argentinos no Rio de Janeiro.

Foi também uma noite trágica. Uma mulher morreu pisoteada na entrada do Maracanã, devido a aglomeração de milhares de pessoas em volta dos portões. O marido dela tentou ajudá-la, acabou pisoteado, mas, por sorte, não morreu. Naquele dia foram 89.356 pagantes, mas a Suderj informou que houve mais 20 mil não pagantes.

Há 22 anos a torcida rubro-negra viu a primeira e única final entre Flamengo e Independiente – até hoje!

 

Fonte: ESPN

 

Marcos Rogério/Litoral Noticias