04/09/2019 | litor6br | Sem Comentários



Nos dias 28, 29 e 30 de agosto, a Federação Nacional dos Estivadores (FNE), a Federação Nacional dos Conferentes e Consertadores de Carga Descarga, Vigias Portuários, Trabalhadores de Bloco, Arrumadores e Amarradores de Navios (FENCCOVIB) e a Federação Nacional dos Portuários (FNP) realizaram em conjunto a Plenária Nacional das 3 (três) Federações, em Brasília – DF. Cerca de 90 dirigentes sindicais de Norte a Sul do país participaram dos 03 dias de evento. A Frente Intersindical de Paranaguá se fez presente com João Lozano e Everson Leite de Farias, presidente e secretário dos estivadores, Oziel Felisbino e Eliel Teodoro, presidente e secretário dos arrumadores, Walter Cardoso Vieira, tesoureiro dos Vigias Portuários e José Eduardo Antunes Santos, representando os Conferentes de Carga e Descarga, além de Ezequias Rederd (Maré), representando a secretaria de assuntos sindicais da Prefeitura de Paranaguá.

Os temas abordados na plenária nacional foram a Reforma da Previdência, Organização da mão de obra avulsa, multifuncionalidade e intercâmbio, treinamento e qualificação dos TPA’s, privatização da gestão portuária, plano conjunto de luta em âmbito nacional e a unidade nas negociações coletivas e na luta em cada base.
Uma das recomendações da Plenária e um dos temas mais debatidos foi a negociação conjunta entre todos os sindicatos e os operadores portuários. Tal sugestão já é adotada pelos sindicatos profissionais de Paranaguá. As negociações coletivas, que se intensificaram a partir de agosto passado, entre os operadores portuários e os sindicatos profissionais foram realizadas conjuntamente pelos representantes dos trabalhadores, acompanhadas pela Frente Intersindical de Paranaguá.

Outro ponto abordado na plenária é a implantação nos portos brasileiros da chamada “multifuncionalidade”, que vem a ser a possibilidade do trabalhador portuário avulso (TPA), desde que previamente qualificado, exercer todas as atividades inerentes ao trabalho portuário avulso (estiva, capatazia, conferência, bloco, vigilância e conserto), independentemente da sua categoria de origem. No Porto de Paranaguá, as atividades multifuncionais já são praticadas há muitos anos.

Na avaliação de João Lozano, presidente da Intersindical, a Plenária foi de grande valia porque foram discutidos assuntos de relevância nacional em que a base de Paranaguá já saiu na frente. “Já faz bastante tempo que implementamos a multifuncionalidade e a negociação conjunta”, afirmou Lozano.

Para Everson Leite de Farias, secretário da estiva, a plenária foi de extrema importância, pelo atual momento por que passam os trabalhadores, em função das várias mudanças que a classe laboral vem enfrentando ao longo dos últimos anos, relacionadas à mão de obra, à desestatização das administrações portuárias, ente outras. “Precisamos estar cada vez mais unidos para enfrentar os obstáculos que estão por vir, finalizou Everson.

Oziel Felisbino, presidente do sindicato dos Arrumadores, avalia que a Plenária serviu de alerta, evidenciando a necessidade de estarmos ainda mais unidos, uma vez que o atual momento escancara as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores em todo o Brasil, diante do discurso de cada dirigente sindical.

Eliel Teodoro, secretário do sindicato dos Arrumadores, destacou o empenho dos presidentes das Federações em realizar a Plenária e trazer para o debate importantes temas que afetam diretamente os trabalhadores portuários avulsos por todo o Brasil. “Somente com a união de todos, poderemos enfrentar as dificuldades que estão por vir”, assinalou Eliel.