14/07/2017 | litor6br | Sem Comentários



Foi identificado nesta sexta-feira (14) o corpo que estava enterrado num barranco do bairro Cidrão, na Ilha dos Valadares, em Paranaguá, no litoral paranaense e que foi descoberto por uma pescadora na quinta-feira (13). Trata-se de Ana Paula Cordeiro da Silva, de 23 anos. Ela era moradora do Valadares.

No começo da tarde, um familiar dela compareceu no Instituto Médico Legal-IML e identificou a vítima – que, inicialmente, logo após o corpo ser descoberto, chegou a ser confundida com uma criança de 10 anos. Além do pé pequeno, Ana Paula era uma mulher franzina e de baixa estatura.

De acordo com os exames periciais feitos em Ana Paula, ela teria sido asfixiada.

TATUAGENS

O que teria facilitado o reconhecimento de Ana Paula foram as três tatuagens que ela possuía. Uma com o nome da mãe (ZILENE) e outra com o nome do irmão (MARCELO), além de uma fada na perna. A princípio, chegou-se a divulgar que seria uma tatuagem tribal em forma de flor, mas hoje essa informação foi corrigida.

Os familiares demoraram a comparecer ao IML porque, ainda segundo esse parente que compareceu ao IML, Ana Paula costumava ausentar-se de casa por longos períodos. Ela seria usuária de crack, já que no bolso dela foi encontrado um cachimbo para o uso da droga.

Como Ana Paula Cordeiro da Silva foi asfixiada, o caso agora passa a ser investigado pela equipe chefiada pelo delegado Nilson Diniz.

Delegado Nilson Diniz chefiará as investigações sobre o assassinato de Ana Paula

Fonte: Agora Litoral