26/02/2018 | Litoral Sul FM | Sem Comentários



STF rejeita habeas corpus e Carli Filho vai a júri popular

Está mantido o júri popular do ex-deputado Carli Filho, réu por duplo homicídio em um acidente de trânsito em maio de 2009, onde morreram Gilmar Rafael de Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida.

Na tarde desta sexta-feira (23), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, rejeitou o habeas corpus que pedia a suspensão e a transferência do julgamento que está marcado para os próximos dias 27 e 28 de fevereiro.

O pedido foi feito na quarta-feira (22), depois que o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Sebastião Reis Júnior, rejeitou o pedido de habeas corpus.

Antes disso, a defesa do ex-deputado já havia tentado a suspensão do júri na primeira e segunda instância da justiça paranaense, mas também teve os pedidos negados.

O advogado Elias Mattar Assad, que representa as famílias das vítimas, afirma que a decisão foi acertada em manter o julgamento em Curitiba e que isso acaba dando força ao julgamento.

“Uma coisa é certa, apesar da demora, o acusado teve respeitado todos os seus direitos.

Ele será levado a um julgamento completamente legal.

Esperamos que a sociedade curitibana tome uma decisão serena e justa”, completou.

Relembre o caso:

O acidente envolvendo Luiz Fernando Ribas Carli Filho aconteceu na madrugada do dia 7 de maio de 2009, no cruzamento da Avenida Monsenhor Ivo Zanlorenzi com a rua Paulo Gorski, no bairro Mossunguê, em Curitiba.

O carro que o então deputado estadual conduzia, um Volkswagen Passat blindado, atingiu o Honda Fit que era conduzido por Gilmar Rafael Yared, 26 anos.

Também estava no veículo Carlos Murilo de Almeida, 20 anos.

Os dois morreram na hora.

Carli Filho ficou ferido e foi encaminhado para o Hospital Evangélico em estado grave.

Carli Filho estava na Avenida Monsenhor Ivo Zanrolenzi e o Honda Fit fazia uma conversão à esquerda da rua Paulo Gorski para a avenida, que é a via rápida sentido centro e cujo limite de velocidade é de 70 Km/h.

As investigações do acidente apontam que Carli Filho dirigia a uma velocidade de 163 Km/h.

Além disto, ele estava com a carteira de habilitação vencida.

No momento do acidente, os semáforos estavam com a luz amarela piscando, em sinal de alerta.

 

Com informações do portal Massa News

Marcos Rogério/Litoral Noticias